PREMIADOS FESTCURTAS BH 2015

JÚRI OFICIAL

MOSTRA COMPETITIVA INTERNACIONAL

Melhor curta-metragem

Wayward Fronds, de Fern Silva

Por suas imagens descentradas e imprevisíveis, que transformam a experiência do espectador numa deriva experimental fascinante e sem destino certo. Por transfigurar um espaço e fazer dele um território fílmico singular, onde as coordenadas habituais são suspensas e a perspectiva humana é desativada pela presença insinuante dos jacarés, das sereias, da relva e do fogo. Por forjar uma harmonia única, na qual cada plano explode por sua musicalidade autônoma e, ao mesmo tempo, contamina misteriosamente todos os outros.

Menção Honrosa

Tim, de Camille Rosset

Pelo frontal registro de seu personagem, um adolescente-cineasta fascinado por filmes de horror, e pela aproximação cuidadosa que a diretora faz do complexo universo do garoto, indicando que este além de ver nas imagens artificiosas algo lúdico e criativo, também sabe fazer uma distinção ética entre as imagens.

MOSTRA COMPETITIVA BRASILEIRA

Melhor curta-metragem

Intervenção, de Pedro Maia de Brito

Como diria Godard não se trata da justa imagem, mas de “justo uma imagem”, e a imagem que nos interpela com eloquência é o repetido gesto da policial a lavar as armas sujas pelo sangue da violência contra os manifestantes que um dia nas ruas protestavam por seus direitos. A imagem ela mesma nos confronta por diferentes camadas de sentido. Estendendo a noção do que é político aí, elas vão além da repressão da PM. Inscritas no ato da mão feminina que lava não vasilhas, mas esfrega os cassetetes enérgica e vigorosamente, como num movimento masturbatório, reverberam o que pode ser misto de obscenidade e opressão histórica. Assim a imagem reinstaura através do vigor, da prontidão militar e do preparo das armas, o estado de guerra entre policiais e manifestantes no Brasil desde a ditadura e agora revivido nas jornada de junho.Enquanto isso nocontracampo dois jovens protestantes/ativistas observam tensamente a cena e tramam microscopicamente a insurgência contra o macropoder da militarização extremada.Das vozes que prenunciam o confronto, surge o enfrentamento, o ataque à força policial que oprime e pune cidadãos no gozo de seus direitos. Eis que entre diferentes camadas de sons, ouvimos a bomba, os estilhaços, a explosão que corta o fluxo e interrompe a cena. Em Intervenção, é pela ficção cinematográfica que um novo campo de visibilidade, portanto um novo campo de disputas pode ter lugar e enfim reconfigurar o político. Ali não restará a imagem que salva, mas o vazio da tela negra a apontar para um futuro possível: a desmilitarização da PM no Brasil.

Menção Honrosa

A festa e os cães, de Leonardo Moura Mateus

O filme traz ao modo de As fotos de Alice, de Jean-Eustache, a força do dispositivo que interroga os modos de ver do cinema através de uma mise-em-scène pela fotografia. Porem aqui o presente eterno das fotos, encontra aquele vivido – das festas e dos cães – que, ao ser atravessado pela narrativa alcança o jogo complexo da memória: entre o que foi, o que poderia ter sido e o que virá. Quando esse dispositivo mnemônico é rompido o cinema retoma para fazer de sua duração uma partilha pela intensidade da música.

MOSTRA COMPETITIVA MINAS

Melhor curta-metragem

Subsolos, de Simone Cortezão

Subsolos pensa a paisagem como o espaço político e social em que estamos todos incluídos, com seus territórios, fronteiras e lutas. Em outras palavras, isso significa substituir um entendimento de paisagem como espaço contemplativo por uma noção de que a paisagem pode ser performativa, dependendo da maneira como é construída a sua exposição. Isso, é claro, repercute no rosto. O curto-circuito entre primeiro plano e plano geral faz com que apareçam tanto no rosto quanto na paisagem novas camadas de mediação, em que questões políticas transbordam do macro para o micro e vice-versa.

 

JÚRI POPULAR

Melhor curta-metragem brasileiro: Como era gostoso meu cafuçu, de Rodrigo Almeida

Melhor curta-metragem internacional: Automatic Fitness, de Alejandra Tomei e Alberto Couceiro.