JURI COMPETITIVA BRASILEIRA

Björn Speidel

Nascido em 1976, em Hamburgo, Björn Speidel estudou Design de Mídia Experimental na UdK-Berlim e formou-se como estudante de mestrado de Heinz Emigholz. Após o mestrado, recebeu uma bolsa de estudos NaföG com duração de um ano. Atualmente Speidel trabalha como Artista do Filminstitut, UdK-Berlin. Suas obras foram exibidas no Festival de Cinema EXis, em Seul, e no Festival Internacional de Cinema de Berlim, entre outros. Björn Speidel foi curador do Theme Programm no 61º Festival Internacional de Curtas-Metragens de Oberhausen e integra o coletivo de cinema LaborBerlin e.V.

Eduardo Williams

Eduardo Williams estudou na Universidad del Cine em Buenos Aires (Argentina) e, em seguida, no Le Fresnoy, Studio National des Arts Contemporains (França). Retrospectivas de seus curtas foram organizadas na Cinémathèque Française, Paris; no Cinema Cin’Hoche, Paris; no Cinema Concorde, La Roche-Sur-Yon, França; no Festival Internacional de Cine de Valdivia, Chile; no Cinema Gaumont, Buenos Aires; no Festival de Cinema de Londrina, Paraná, Brasil; no Cinema Foajé, Bratislava, Eslováquia; no Kinemastik Film Festival, Malta, e no TRANSCINEMA Festival Internacional de No-ficción, Lima, Peru. Williams dirigiu cinco curtas-metragens: Tan atentos (2010), Pude ver un puma (2011), El ruido de las estrellas me aturde (2012), Que je tombe tout le temps? (2013), Tôi quên rồi! (2014). Os curtas estrearam no Festival de Cannes e no FIDMarseille e foram exibidos em vários festivais.

Roberta Veiga

Doutora em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) desde 2008, quando defendeu a tese “A estética do confinamento: o dispositivo no cinema contemporâneo”. Foi pesquisadora e professora visitante na Universidade do Texas em Austin (EUA), onde lecionou a disciplina “Brazilian Cinema and Marginality: a comparison of documentary and fiction films”, junto ao Departamento de Radio-Televisão-Cinema da Escola de Comunicação. Atualmente é professora adjunta do Departamento de Comunicação Social na FAFICH-UFMG e professora colaboradora no Programa de Pós-Gradução em Comunicação na mesma instituição. Integra a equipe de editores da revista Devires – Cinema e Humanidades e o comitê de organização do forumdoc.bh (Festival de Cinema Documentário e Etnográfico de Belo Horizonte). É pesquisadora do grupo Poéticas da Experiência (UFMG), junto ao qual desenvolve a pesquisa “A escrita de si pela imagem: cinema, história e espetáculo”. Acaba de traduzir o livro Nothing Happens: Chantal Akerman’s Hyperrealist Everyday, de Ivone Margulies, para o português.


JURI COMPETITIVA INTERNACIONAL

César Guimarães

Doutor em Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e professor associado do Departamento de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da FAFICH-UFMG. Editor da revista Devires: Cinema e Humanidades e coordenador do grupo de pesquisa Poéticas da experiência. Atualmente desenvolve a pesquisa “Comunidades de cinema”, com apoio do CNPq e da FAPEMIG.

Francis Vogner dos Reis

Francis Vogner dos Reis é mestre em Meios e Processos Audiovisuais pela ECA-USP, roteirista e crítico de cinema, tendo trabalhado em roteiros de filmes de Sergio Bianchi, Tiago Mata Machado, Luiz Pretti, Ricardo Pretti e Pedro Diógenes. Foi colaborador de uma série de revistas nacionais e estrangeiras, com destaque para Interlúdio, Foco – Revista de Cinema, Filme Cultura e revista Cinética. Curador das mostras Jacques Rivette – Já não somos inocentes (2013), Easy Riders – O cinema da Nova Hollywood (2015) e Jerry Lewis – O rei da comédia (2015). Faz parte da equipe de curadoria/programação das mostras da Universo Produção: Mostra de Cinema de Tiradentes, CineOP e CineBH.

Victor Guimarães

Doutorando em Comunicação Social pela UFMG, é crítico na revista Cinética e integrante das comissões de seleção do forumdoc.bh desde 2012. Foi professor do curso de Cinema e Audiovisual do Centro Universitário UNA e um dos coordenadores de programação do FestCurtas BH (2014). Foi também curador das mostras Políticas do Cinema Moderno, Sabotadores da Indústria (I e II), do Cineclube Comum/SESC Palladium, e da mostra Argentina Rebelde (Caixa Cultural/Rio de Janeiro). Tem ensaios publicados em livros, catálogos de festivais e mostras retrospectivas. Contribuiu para revistas como Lumière (Espanha), Senses of Cinema (Austrália), Desistfilm (Peru) e La Furia Umana (Itália).


JURI COMPETITIVA MINAS

Diego Hoefel

Natural de Porto Alegre. Atualmente vive e trabalha em Fortaleza. Além de professor do curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Ceará (UFC), atua também como realizador e roteirista. Dirigiu os curtas-metragens Cidade Nova (2015), Valparaíso (2009) e Criador de imagens (2007). Entre seus roteiros, estão Monstro (2015, de Breno Baptista), Tremor (2013, de Ricardo Alves Jr.) e Permanências (2011, de Ricardo Alves Jr.).

Elisa Rezende

Possui graduação em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1989) e mestrado em Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação pela Universidad Nacional de Educación a Distancia (UNED), na Espanha (2004). É professora na Faculdade de Comunicação e Artes da PUC Minas, onde atualmente exerce os cargos de coordenação de extensão e coordenação do LabSG (Laboratórios de vídeo, áudio e fotografia) da unidade São Gabriel. Possui experiência na área de Comunicação, com ênfase em Linguagens Audiovisuais, trabalhando principalmente com os seguintes temas: produção audiovisual, documentário, linguagens digitais, multimídia e comunicação para cidadania.

Maria de Fátima Augusto

Produtora cultural e cineasta, Maria de Fátima Augusto vive e trabalha em Belo Horizonte (MG). É mestre em Artes Visuais pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e professora de Design e Audiovisual na Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). Desde 2009, com o apoio da FAPEMIG, pesquisa o diálogo entre cinema expandido, design digital e inovação social. Como diretora, roteirista e produtora executiva, realizou inúmeros filmes e vídeos documentários em projetos de leis de incentivo municipais, estaduais e federais. Como sócia fundadora da produtora Maria Filmes, é responsável pelo desenvolvimento de diversos projetos. Realizou e dirigiu os seguintes curta-metragens: Todo dia na rua (2003), indicado em 2003 à Academia Brasileira de Cinema na categoria Melhor Curta Documentário; Crônicas da Vida (2005); Pela Noite (2006); e Olhos de Mulher (2008). Dirigiu, ainda, o média-metragem Luz da Vida Inteira (2007) e um dos episódios do longa-metragem Descaminhos (2007), produzido pela produtora Camisa Listrada.

Suas obras ganharam prêmios e foram exibidas em importantes festivais de cinema e instituições artísticas no Brasil e no exterior, como no Festival É Tudo Verdade, no 7º International Documentary Festival de Barcelona (DOCUPOLIS) e no Festival de Arte Negra de Lagos. Atualmente, é idealizadora e curadora acadêmica do Seminário Nacional e Mostra Internacional de Cinema Expandido e do Filme Ensaio – Projeto Conversações, apoiado pela FAPEMIG. Realizou os projetos de videoinstalação Armazém de Imagens (2014) e Invisível Cotidiano (2015).